quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O ELOGIO DA DÍVIDA - VOTOS PARA 2011

Sempre a contas com o tempo e a sua tirania, hoje de manhã, tinha já decidido dirigir-me a todos com um cordial “Bom Ano de 2011 a todos os clientes e amigos da Escrita(s) em dia”, assumindo para mim o passivo de ficar a dever-vos uma merecida mensagem de Ano Novo. Acontece que hoje, dia 30 de Dezembro de 2010, me cruzei, por mero acaso, com três pessoas que conheci em momentos diferentes da minha vida. Trocámos saudações, conversas de circunstância mais ou menos prolongadas, conforme o tempo de que cada um dispunha e seguimos viagem, depois de termos proferido votos mútuos de Feliz Ano Novo. Isto nada teria de interessante, não fosse o facto de todas elas se terem mostrado verdadeiramente preocupadas e empenhadas em saldar as suas pequenas dívidas antes da alvorada do novo ano. O que, ao princípio da tarde, me fez simplesmente sorrir à ideia divertida de não querer ofender o tempo, entrando no futuro com encargos herdados do passado. Só que isto de andar a escrevinhar (n)a vida transforma-nos, a prazo, numa espécie de matéria porosa e permeável que, mesmo sem querer, acaba por absorver por osmose pelo menos um pouco de tudo quanto paira em seu redor. Ia a tarde a meio quando me propus fazer eu própria o mesmo exercício de comparar “deves” e “haveres”. Felizmente, no plano material, a questão foi fácil de resolver. Movo-me no mundo dos remediados, logo, as minhas dívidas não são nem em número nem em montante suficiente para me tomarem muito tempo de reflexão. Como a maior parte delas teria forçosamente de transitar para o novo ano, o assunto ficou sumariamente encerrado. O pior é que, aos espíritos irrequietos como o meu, as ideias costumam acorrer como as cerejas: umas atrás das outras e quase sempre de aspecto irresistível e tentador. Vai daí, pus-me a cogitar nas minhas outras dívidas. As importantes. As pesadas. As de que me sinto realmente devedora. E que dificilmente algum dia poderei pagar...
Ao fim da tarde, uma extensa lista de credores cujos nomes iam de A a Z, com ocorrências repetidas em mais que uma letra do alfabeto ditava-me a sentença de “devedora em grande escala”. Confesso. O rol das minhas dívidas é longo. São dívidas de amizade. De solidariedade. De gratidão. Outras ainda a que nem sei que nome dar. De valor inestimável. E quase todas dessa natureza intangível que faz com que não admitam pagamento e com que me seja apenas possível ambicionar, quando muito, um dia poder retribuir a gentileza, porque nada poderá anular a dívida inicial.
A poucas horas do fecho de contas de 2010, escrevo esta mensagem para dizer que essas dívidas, faço questão de as levar comigo para 2011, para 2012, para 2013, para sempre... Com a única condição de não as deixar cair em esquecimento, sob pena de – aí sim! – incorrer em crédito mal parado. São, por assim dizer, as minhas dívidas de estimação, das quais, de resto, nem poderia separar-me porque a soma de todas elas representa grande parte da pessoa em que me tornei. Para o bem e para o mal.
Escrevo ainda para reafirmar a firme intenção que tenho de, em 2011, continuar a contrair sem restrições esta espécie de dívida franca e sem retorno, que agradeço sem dela me sentir refém e que me ajuda a acreditar que, apesar de tudo, nesta outra contabilidade de que falo, os investimentos raramente são a fundo perdido.
Escrevo porque me parece que dívidas destas são provavelmente o que de melhor podemos levar de um ano para o outro. E para agradecer a quem um dia repartiu comigo o capital que tinha, dizendo que muito me honra o facto de terem depositado em mim algo de seu e que me orgulho do privilégio de ter ficado a dever-lhes alguma coisa.
Escrevo, por último, para desejar que 2011 vos traga muitas contas para acertar. Porque estou em crer que estaremos tanto mais vivos quanto mais longa e movimentada for a conta-corrente que nos une aos outros.
Contas feitas, quando amanhã soarem as doze badaladas, a única coisa que já não devo a ninguém é a mensagem de Ano Novo para 2011. O resto do passivo mantém-se e promete crescer. Assim haja quem queira continuar a emprestar-me do que tem.

A si, que é certamente um dos nomes da também já longa lista de credores honorários da Escrita(s) em dia, desejo-lhe um grande Novo Ano.

Até lá!

Carla









quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O NATAL, SEGUNDO A ESCRITA(S) EM DIA

No nosso Natal, entram polícias e ladrões, lobos e cordeiros, zangas e arrelias, entram os arrufos de família e a quezília das partilhas, entram as poucas esmolas que damos e as muitas que nunca nos pediram, até entram moedas de cinco escudos das antigas.
No nosso Natal, entram os meninos para quem viver é estar de castigo e as crianças que, em África, andam fugidas de casa e que lambem nos dedos o sabor a guerra à hora do almoço.
No nosso Natal, entram as árvores que cortaram na Amazónia, a crise financeira e o degelo das calotes polares, ao lado dos Pais Natais a fingir que, apesar de tudo isso e do esgotamento iminente das reservas fósseis, animam a paisagem de barbas brancas e rotundas barrigas.
No nosso Natal, entram os que nunca aqui entraram, os que morreram antes de nós termos este sonho mas que têm lugar cativo à mesa das recordações.
No nosso Natal, entram o António Feio e outros que vimos partir com pena. No nosso Natal, entra a alegria incómoda das crianças mais a pieguice dos velhos e a loucura incontida dos que, como as tias doidas, não têm idade, apenas dores nos ossos.
No nosso Natal, entram as bolas de Berlim e o sabor a praia das férias de Verão, entram as nódoas da roupa que os miúdos levam para a escola, os rolos de cotão do corredor, os ténis que desfazem a jogar à bola, as zangas das mães nos atrasos de manhã e o barulho de que se queixam os vizinhos.
No nosso Natal, entram as promessas de Ano Novo, o colesterol de uns e a vontade de outros de deixar de
fumar que fica sempre na caixa dos pendentes, junto dos projectos adiados.
No nosso Natal, entram os sonhos, as azevias e as rabanadas mais as pequenas gotas de tristeza que são as mazelas da vida e que as crianças ainda mal sabem distinguir dos cristais de açúcar.
No nosso Natal, entram todas as nossas fotografias desfocadas, os bolos queimados das donas de casa, as derrotas do Sporting e todos os pares de peúgas do mundo...
Como vê, no nosso Natal entra tanta coisa que não há razão para ficar de fora... Por isso, mesmo que ainda não tenha decidido juntar-se ao universo da Escrita(s) em dia, aceite os nossos votos de...

FELIZ NATAL

sábado, 18 de dezembro de 2010

PARA QUEM TEM OS PRESENTES DE NATAL ATRASADOS

Sabemos, por experiência própria, que o mês de Dezembro passa mais depressa que os outros. Porque há mais carros a circular e o trânsito se complica, porque há mil almoços de Natal, jantares de Natal e outras ocasiões de confraternização natalícia aos quais comparecer, por causa das Festas de Natal das escolas das crianças a que convém assistir e, por último, por causa da lista dos presentes de Natal que, mais curta ou mais longa, é uma obrigação que recai sobre quase toda a gente. Sabemos também que o tempo não estica e que escolher o presente certo para cada uma das pessoas da nossa lista de Natal pode ser um desafio.
Na Escrita(s) em dia, não lhe prometemos o presente certo. Mas propomos-lhe presentes originais. E temos para quase toda a gente. Senão, vejamos:

Para a Mãe:

Rafael ou o Filho do Meio – Uma história de anjos e flores € 15,00


ou

A receita da mãe – um livro de receitas cheio de segredos € 15,00




Para o Pai:

O Pai, o Filho e a Bicicleta € 15,00

(pode ser feito com frutos secos típicos do Natal – valor a orçamentar)


ou

Café com Histórias € 15,00

(disponível nas variedades Roma e Livanto da Nespresso. Outras variedades a pedido.)




Para os avós:

Edições Sénior das Ervas de Cheiro - € 7,50




Para os tios, os primos, os amigos, os colegas de trabalho e outros:



Chá com histórias

Caixa completa (12 histórias) € 18,00

Caixa com 3 histórias à escolha € 7,50

Caixa com 1 história à escolha € 3,50



Disponíveis as colecções:

Janelas (chá de canela e especiarias e chá citrinos)


Histórias de Natal (chá vermelho)




Para namoradas/namorados e românticos incuráveis:



Chá com histórias de amor

Caixa completa (5 histórias + chá canela/maçã-canela/preto com baunilha) € 18,00

Frasco com 1 história à escolha acompanhada de 1 chá especial € 7,50




Para os amantes de chocolate negro e/ou outros pecados:



Sete Pecados Mortais € 15,00

7 bombons de chocolate negro + 7 histórias sobre os pecados capitais




Para as crianças



Ilustrador Precisa-se

(livros a ilustrar pelas crianças)

Quando a mãe chora € 12,50

Uma zebra dançarina € 12,50




ou



Histórias com chupa-chupas

(1 chupa gigante com uma história para ler ou ouvir contar)

“Sarapião, o macaco leão” € 10,00

“Zarabel, o cabeça de papel” € 10,00

“Estrelícia e o génio” € 10,00




Como vê, temos presentes para quase todas as idades e parentescos. Basta dizer-nos o que pretende e enviar-nos o seu contacto para

escritasemdia.carla@gmail.com

ou falar connosco através do telefone 961555794.

Depois de definidos os pormenores da entrega, recebe os seus presentes no dia e à hora marcados, embrulhados e prontos a dispor debaixo da árvore. A única coisa que terá de fazer será escrever a etiqueta do presente a desejar saborosas leituras a quem o recebe.

Os nossos presentes são feitos com produtos de primeira qualidade, materiais ecológicos e, sempre que possível, reciclados, não ocupam espaço e ficam bem em todas as decorações, por isso…

Não deixe cair o seu Natal por falta de tempo ou imaginação. Aceite as nossas sugestões.

É que, na Escrita(s) em dia, Natal é o que fazemos melhor…



Escrita(s) em dia

Pense no que tem para dizer…

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

AMANHÃ, É DIA DE MERCADO URBANO NO SOU

Realiza-se amanhã no SOU o Mercado Urbano de Natal, onde poderá encontrar ideias e sugestões originais e criativas para fazer deste um Natal diferente. Troque os grandes centros comerciais por um ambiente quente e acolhedor onde os criativos esperam por si para lhe mostrar o que de melhor e mais original se tem produzido por aí. Num tempo em que  os problemas financeiros estão na ordem do dia, adira a iniciativas em que o único intermediário é quem oferece o presente. Celebre o seu Natal apoiando quem tem boas ideias!
Mais informações em http://www.sou.pt/.  

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

SEGREDOS BEM GUARDADOS


PRESENTES PESSOAIS, INTRANSMISSÍVEIS E COM ASSINATURA...
É QUE O NATAL NÃO TEM SEGREDOS PARA NÓS.

Papel, cola, tecido, fio, agulhas, pincéis e tintas, chá com histórias e histórias sem chá, histórias para quem gosta do Natal e para quem nem por isso, histórias para quem gosta de histórias e muitas ideias para quem gosta de outras coisas. Nesta loja, há quem cosa e quem pinte, quem escreva e quem cole e ainda quem faça o que muito bem lhe apetece mas toda a gente põe muito de si naquilo que faz. Talvez seja esse O Segredo...

LOJA TEMPORÁRIA O SEGREDO
Av. António José de Almeida, 7F
(junto ao C. C. São João de Deus)
Tel. 927 88 33 00
Seg-Sex 12:00-19:00
Sáb/Fer. 10:30-17:00

Um pequeno ESPAÇO com um GRANDE projecto...
Porque as lojas não se medem aos palmos.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

ESCRITA(S) EM DIA & (LOTS OF) FRIENDS

Em tempo de Natal e falando em amigos, há mais umas quantas coisas que gostávamos de partilhar consigo.

Por exemplo, gostávamos de começar por falar n’ O Lado Esquerdo, uma simpática editora em início de carreira que nasce em Messejana, no Alentejo profundo, pela mão de uma curiosa personagem. Natàlia Tost é catalã de nascença e quer-nos parecer que andarilha por natureza, logo, não nos surpreende o facto de a termos conhecido precisamente em Beja, durante as Palavras Andarilhas/2010.
O Lado Esquerdo Editora apresentou-se em Beja com livros de pano feitos artesanalmente a pensar nos pré-leitores – livros literalmente para todos os gostos, tamanhos e feitios – e sessões para pais e filhos com o objectivo de estimular a interacção, o desenvolvimento cognitivo e o gosto pela leitura mas não estaremos a mentir se dissermos que o melhor cartão de visita d’ O Lado Esquerdo é, precisamente, a sua criadora.


Criativa, espontânea e muito, muito divertida, a Natàlia e as histórias das suas andarilhanças não deixam ninguém indiferente.
Porque os projectos são, acima de tudo, o espelho das pessoas que os animam, mesmo que esta editora ainda mal tenha dado os primeiros passos, a Escrita(s) em dia está à vontade para sugerir que a siga com atenção daqui para a frente. É que vindas d'O Lado Esquerdo, esperamos grandes coisas, todas tão originais e irrepetíveis como a mistura de sotaques catalão e alentejano com que a sua mentora entoa a nossa pátria língua. Esteja atento às criações d’ O Lado Esquerdo em www.oladoesquerdo.org..
Para já, avançamos em primeira mão que está para sair muito em breve (mesmo a tempo do Natal!) o primeiro livro em papel. Chama-se “Contos de Natal que a avó nunca te vai contar” e, embora ainda não o tenhamos lido, deixamos aqui a nossa recomendação com o selo de garantia de uma história de amizade à primeira vista.

A seguir, nascida da nossa primeira participação na Ladralternativa, no fim de Setembro deste ano, uma inesperada parceria com a Ciranda Portuguesa, onde a bijuteria se constrói de materiais diversos, ao sabor da imaginação. Deste encontro nasceu a belíssima miniatura que aqui lhe mostramos e que, desde o primeiro momento, ascendeu ao estatuto de “mascote” da Escrita(s) em dia. Em estudo estão já peças ligeiramente diferentes e maiores que, se tudo correr bem, passarão a identificar de forma inconfundível os infusores de chá oficiais da Escrita(s) em dia. À Mafalda e ao Rafael, da Ciranda Portuguesa o nosso muito obrigado pelo tempo que têm dedicado à imagem de marca da Escrita(s) em dia.
Muitas outras ideias de bijuteria para o seu Natal com o cunho inconfundível destes criativos em www.cirandaportuguesa.blogspot.com.

Agora, uma amiga de longa data a quem ficamos a dever, entre outras coisas, a nossa primeira internacionalização. Ester Ramos, da empresa ONOMA, teve a ideia de levar artigos nossos para oferecer a clientes alemães. No entanto, entre a ideia e a sua concretização, erguia-se a barreira (neste caso intransponível!) da língua. Ora, sendo uma tradutora experiente com inúmeras provas dadas e, além disso, uma amiga da casa, a Ester arregaçou as mangas e traduziu, de uma penada, a história e o rótulo do chá. Desta parceria nasceram os primeiros exemplares de Tee mit Geschichten que levantaram voo no passado dia 20 de Novembro com destino à Alemanha.
Num gesto bem simpático que nunca é demais agradecer, a Ester ofereceu-nos a tradução pelo que, neste momento, a Escrita(s) em dia conta já com, pelo menos, um artigo para exportação.
Se, além de prendas originais para o Natal, procura também presentes falados em alemão, não deixe de considerar a nossa “Der süße Tod der Erika”.
Natais à parte, se precisar de qualquer outra coisa traduzida, para/de alemão ou qualquer outra língua, em www.onoma.pt  encontra a solução para o seu problema. E esta não é apenas uma sugestão, é uma garantia dada pela Escrita(s) em dia com dez anos de conhecimento de causa.
 
Por último mas não menos importante, a Loja Temporária O Segredo – cujas fundadoras conhecemos no Mercado Urbano de Julho do ano passado e com quem fizemos amizade – vai voltar a acolher-nos durante todo o mês de Dezembro. Na Av. António José de Almeida, nº 7F, junto ao Instituto Superior Técnico e mesmo ao lado do Centro Comercial São João de Deus, a partir da próxima segunda-feira, dia 29, estarão em exposição, além das criações da Escrita(s) em dia, os trabalhos de Ana Calçada e Teresa Martins – as anfitriãs – bem como as louças pintadas à mão da Rita Borralho, peças únicas de muitos outros criativos portugueses e os livros (de pano e em papel) d’ O Lado Esquerdo. Papel, fio, tintas, chás que contam histórias, histórias que a avó nunca nos vai contar por mais chá que lhe dêmos a beber e muita, muita criatividade são as sugestões que temos para o seu Natal, à sua espera a partir das 12:00 n’ O Segredo, uma loja pequenina onde, apesar da falta de espaço, cabe isto e muito mais... Todo o segredo revelado em www.facebook.com/pages/Loja-Temporaria-O-Segredo .




terça-feira, 23 de novembro de 2010

NOVAMENTE À ESPERA DO NATAL


É verdade. O calendário já deu uma volta inteira e cá estamos nós novamente a entrar na quadra natalícia!


Seguindo uma tradição que iniciou o ano passado, a Escrita(s) em dia volta a apresentar os seus calendários do advento, criados especialmente para os mais pequenos.

Para quem não nos acompanha assim há tanto tempo, explicamos que o nosso calendário do advento é composto por um pequeno livro que assinala em cada página quantos dias faltam para o Natal e um conjunto de vinte e cinco chocolates que vêm embrulhados no texto de cada uma das páginas do livro. Assim, a cada chocolate, corresponde mais um pedaço da história que é preciso recortar e colar na respectiva página. O ritual repete-se todos os dias até ao Natal, data em que a história estará finalmente completa.

A ideia é ir construindo um livro e, ao mesmo tempo, uma história, pouco a pouco, todos os dias até ao Natal, mas é também mais do que isso. As histórias são simples e em verso, com uma musicalidade inerente, muito fáceis de memorizar, por isso, ao ritual diário de desembrulhar um chocolate, comê-lo, recortar o texto e colá-lo na respectiva página, pode juntar a leitura diária da história desde o início – um exercício simples e divertido que vai estimular as faculdades de memorização das crianças.

O ano passado estreámo-nos com a “História de Natal com Letras”, a história que conta toda a verdade sobre como se juntaram as letras que formam a palavra NATAL e, este ano, a pensar em quem experimentou e gostava de repetir mas com uma nova história, juntámos-lhe “A Birra do Pai Natal”, a saga de um Pai Natal birrento que gosta das coisas feitas como deve ser e acaba por ter um papel inesperado numa insólita história de amor. Esta história tem o circo como pano de fundo e promete muitos momentos divertidos e até uma ou outra gargalhada com as peripécias dos nossos artistas.

Uma nota especial merece o facto de a ilustração da capa d’ “A Birra do Pai Natal” ter sido feita em computador por João Borralho, um dos nossos ilustradores residentes que conta a bonita idade de 8 anos.

Inovámos as embalagens do calendário do advento, portanto, em vez das tradicionais caixinhas, este ano, servimo-los em pacotes de papel kraft verdadeiramente caseiros, cortados, dobrados e colados por nós, como, de resto, tudo o mais na Escrita(s) em dia.

Os nossos calendários do advento custam €15 e podem ser adquiridos através de encomenda para o nosso endereço de e-mail – escritasemdia.carla@gmail.com – ou para o telefone 961555794.

Ficamos assim à espera das encomendas, comentários ou sugestões de quem quiser juntar-se a nós nesta deliciosa contagem decrescente até ao Natal.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

ESCRITA(S) EM DIA & FRIENDS - PLASTIC PASSION

Para começar bem a semana, nada como recuperar a nossa recentemente inaugurada rubrica de "Escrita(s) em dia & Friends".

Na Escrita(s) em dia, Amigo é palavra que se escreve com letra grande e a prová-lo está mais esta colaboração entre a Escrita(s) em dia e um evento organizado em parte por uma velha amiga de liceu.

O PLASTIC PASSION abre portas hoje pelas 19:00 e manter-se-á no activo até ao próximo domingo, dia 28 de Novembro. Se bem conhecemos a Maria João Bernardo - uma das organizadoras -, não faltará movimento nem animação. Os produtos em exposição foram cuidadosamente seleccionados pelas duas comissárias, segundo rigorosos critérios de criatividade, sustentabilidade e ecologia. Durante o certame, estará em curso uma campanha de reutilização em que serão recolhidos materiais que os artistas possam incorporar nas suas criações, reduzindo assim o desperdício e a pegada ecológica de TODOS. No caso da Escrita(s) em dia, continuamos a pedir frascos de vidro com, pelo menos, 17 cm de altura e tampa de metal.

Se a sua vida diária o permitir, dê um pulinho à Madragoa, mais propriamente, à Rua da Esperança, nº 24 e visite o PLASTIC PASSION. A Escrita(s) em dia apresenta-se com Chá com Histórias, Chá com Histórias de Natal, Ilustrador Precisa-se e História de Natal com Letras (a reedição do Calendário do Advento do ano passado) mas nesta mostra encontrará muito mais que chá e palavreado. Além do gosto contagiante que tem pela criação e pela originalidade, a Maria João Bernardo tem provas dadas no ramo. Que o diga quem conheceu a Loja SemSim que funcionou durante muitos anos no Bairro Alto, antes de sucumbir à recessão e "às imposições da ditadura económica", nas palavras da sua mentora.

Porque do tempo de liceu, guardámos da João mais do que a memória das suas sonoras e emblemáticas gargalhadas, recomendamos vivamente que não perca este evento. Adira, participe e desfrute da iniciativa PLASTIC PASSION. A Escrita(s) em dia não vende coelho por lebre nem faz publicidade enganosa, por isso, pode acreditar sem restrições quando lhe dizemos que o seu Natal só tem a ganhar com isso! Uma informação de fonte segura, com o selo de garantia de mais de vinte anos de amizade.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

COIMBRA, ATÉ PARA O ANO! - CANCELADO O MERCADO QUEBRA-COSTAS DE 20 DE NOVEMBRO

Informamos todos os interessados que foi cancelado o Mercado Quebra-Costas do dia 20 de Novembro devido às previsões de chuva para sábado. O Mercado fica suspenso durante o período do Inverno e volta a realizar-se em Março. Fica então marcado o nosso encontro com Coimbra para o início da Primavera!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

MERCADO QUEBRA-COSTAS - 20/NOVEMBRO EM COIMBRA

É oficial e vai acontecer! A Escrita(s) em dia vai participar pela primeira vez no Mercado Quebra-Costas de Coimbra de que, sinceramente, não sabemos absolutamente mais nada a não ser que já existe há algum tempo e que aceitou a nossa candidatura.

O acontecimento é importante e merece toda a ajuda possível na divulgação, não só porque, depois de Beja, Coimbra marca a segunda etapa da nossa digressão pelo país, mas também porque, desta vez, a Escrita(s) em dia leva consigo a Rita Borralho que colaborou connosco nas Histórias da Primavera (Páscoa/2009) na pintura dos ovos de cerâmica e que, desde aí, nunca mais deixou de pintar. Entre os seus trabalhos, apresenta, além de ovos, pequenas peças em loiça e vidro. Peças únicas com o seu estilo muito próprio, como a que aqui vê.

Nós levamos "Ilustrador Precisa-se", "Histórias com Chupa-chupas" e o tradicional Chá com Histórias (as simples, as de Natal e as de Amor).

Se vai passar por Coimbra no dia 20 de Novembro ou se tem lá família, amigos ou conhecidos, ajude-os a chegar até nós, passando a palavra.

Ficamos à sua espera, Sábado, na bela cidade de Coimbra onde esperamos que não chova porque, para os artigos de papel da Escrita(s) em dia, os pingos de chuva são mais ou menos como as doze badaladas da Cinderela: marcam o desfazer do encantamento, com a única diferença de que, aqui, não há nada que se transforme em abóbora.

Se já conhece o mercado e tem sido um frequentador assíduo, pode somar esta à lista de boas razões que o levam até lá. Se nunca foi, junte-se a nós e estreie-se no Mercado Quebra-Costas! Que o São Martinho não se esqueça da sua promessa de Verão e que se mantenha no activo, pelo menos, até ao próximo sábado, é, neste momento, o nosso maior desejo.

Tudo sobre o nosso paradeiro no sábado, dia 20 de Novembro, em http://www.mercadoquebracostas.com/.

No regresso, prometemos contar-lhe como foi...

terça-feira, 9 de novembro de 2010

IDEIAS PARA TODOS - SÃO MARTINHO



A INDIFERENÇA


Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.
Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.
Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.
Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei.
Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.

                                         - Bertolt Brecht -





Passado um ano desde que o convidámos a celebrar o São Martinho ao som das sábias palavras de José Mário Branco e dada a preocupante situação de que nos dão conta as notícias que todos os dias nos chegam sobre o país e o mundo, achámos que não seria descabido usar o São Martinho como pretexto para emitir um alerta geral.
Porque as palavras são a nossa principal matéria-prima e porque a tendência é hoje cada vez maior para justificar desatenção e alheamento com falta de tempo e disponibilidade, propomos-lhe um texto que, além de curto, prescinde de subtilezas e subterfúgios e é suficientemente explícito para não deixar margem para dúvidas.
O texto, um dos mais emblemáticos poemas de Brecht, é um clássico, sobejamente conhecido e falha talvez no efeito surpresa mas é também um texto de sabor forte e que não deixará certamente indiferente nem os palatos menos sensíveis.
A nossa sugestão é que imprima o pdf que preparámos para si num papel de cor e textura à sua escolha, tantas vezes quantas as necessárias para garantir que cada um dos convidados recebe um exemplar (pelas razões óbvias, a nossa preferência recai sobre os tons outonais e claro que o papel kraft continua a ser uma escolha de eleição). Depois, é só recortar os quadrados de papel e transformar cada poema numa folha seca, dobrando-o segundo as instruções e tendo o cuidado de manter a face impressa para fora. Esta é uma dobragem bastante simples e de efeito surpreendente, portanto, faça pelo menos uma tentativa antes de desistir, uma sugestão que se aplica a tantas outras coisas na vida.
No fim, disponha as castanhas na travessa ou em pratos individuais e decore com as folhas secas. Polvilhar com erva doce acrescenta perfume e um toque de requinte à tradição. Sirva quente e espere que a mensagem surta o seu efeito.
Se São Martinho estiver do nosso lado e a conversa se proporcionar, dê um empurrãozinho à sorte e não se poupe na defesa desta causa. Entre os argumentos de peso, não se esqueça de incluir uma boa jeropiga ou água-pé. É que engolir em seco nunca foi boa política...
E aí tem mais uma dose de literatura levada à mesa pela Escrita(s) em dia. Uma ideia simples e prática para consumir sem restrições, usar e abusar... A Escrita(s) em dia agradece. E estamos em crer que Brecht também não se importará.
Se, além da erva doce, este ano quiser temperar as suas castanhas com poesia, peça-nos o ingrediente secreto em escritasemdia.carla@gmail.com. Para a dobragem, visite http://en.origami-club.com//flowers/leaf/index.html.

Despedimo-nos desejando-lhe um excelente Magusto, na companhia destas palavras e de outras que lhe apeteçam...

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

ESCRITA(S) EM DIA & FRIENDS - PARTE I



Para quem não sabe, a Toca é a profissional de marketing, a relações públicas e a distribuidora/divulgadora mais produtiva da Escrita(s) em dia. Antes de ser isso, por razões várias, é um daqueles amigos que já eram amigos antes desta família ser família. Este ano, como nos demais, fez anos e achámos que tinha chegado a altura de lhe prestar o merecido tributo. Fizemo-lo com mais um dos originais presentes da Escrita(s) em dia, também ele em roxo... Porque amor com amor se paga...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

DIA 6 DE NOVEMBRO É DIA DE RETOMAR O BOM HÁBITO DO MERCADO URBANO DO SOU

Após uma longa ausência ditada por um ano verdadeiramente atípico a todos os níveis, retomamos o bom hábito do Mercado Urbano, se bem se lembram, sempre no primeiro sábado de cada mês. Dia 6 de Novembro, voltamos a estar presentes no SOU com a habitual dose de chá, histórias, boa disposição e outros anti-depressivos de origem natural sem contra-indicações. Agora que o Natal já se insinua, venha ao SOU descobrir ideias novas e originais e saber como é que, este ano, os seus presentes podem contar uma história bem diferente...

Todas as informações em http://www.sou.pt/.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

IDEIAS PARA TODOS – ESCRITA(S) EM DIA DE BRUXAS


Tenha medo, tenha muito medo... Vem aí o Dia das Bruxas e a Escrita(s) em dia teve uma ideia horripilante para o celebrar condignamente...
Este ano, elevámos a fasquia e convidámos uma vedeta de Hollywood para participar no nosso Dia das Bruxas.

Senhoras e senhores, directamente do Hall of Fame para o anfiteatro virtual da Escrita(s) em dia, o nosso convidado especial é nem mais nem menos que Tim Burton, o grande senhor por excelência de todos os Halloweens!

Desta vez, trazemos-lhe uma ideia diferente e original para servir os chocolates que acompanham o café, se decidir organizar uma ceia das bruxas em sua casa, ou para as guloseimas a distribuir às crianças que possam vir bater-lhe à porta com um atrevido “Doçura ou travessura!”.

Frascos de doce de abóbora ou saquinhos de celofane com guloseimas

Na Escrita(s) em dia, preparámos uns frasquinhos com doce de abóbora, mas a ideia aplica-se igualmente a saquinhos de celofane com guloseimas da mais variada ordem. Depois de prontos os seus sacos, frascos ou caixinhas, só tem de imprimir as nossas Etiquetas - de preferência em cartolina cor-de-laranja -, recortá-las e usá-las para decorar os frascos ou os saquinhos de celofane. No caso dos frascos, recomendamos que fixe as etiquetas com película transparente autocolante. Nos acabamentos, como de costume, vale tudo e a imaginação tem carta branca para levantar voo (de vassoura ou não!), desde que se respeitem as cores tradicionais: o preto e o cor-de-laranja. Se procurar um pouco, verá que não é difícil encontrar papel de seda e ráfia nesses tons... Se precisar de uma ajudinha, aqui ficam as palavras mágicas: "At Home", uma loja com tanta coisa “do outro mundo” que não seria de estranhar se algumas bruxas aí se abastecessem.



Chocolates com histórias do Halloween

Se quiser ir um pouco mais além e dar-se a mais algum trabalho, sugerimos-lhe que construa as nossas edições miniatura de algumas das estórias ilustradas do livro de Tim Burton, "A morte melancólica do rapaz ostra e outras estórias", aqui numa tradução de Margarida Vale de Gato. Para tal, terá de imprimir as Capas em cartolina cor-de-laranja, tendo em atenção que a opção de impressão a escolher deverá ser a de Layout de página, seleccionando a opção Impressão de 16 páginas e assinalando a caixa Borda de página para facilitar o corte.
Quanto às capas, basta recortar cada um dos pares de capa e contracapa e dobrar ao meio. No caso do recheio, deverá imprimir cada uma das histórias escolhendo as opções assinaladas em cima e recortar cada uma das tiras na horizontal. Se tudo correr bem, no final, terá duas tiras com quatro páginas cada. Em cada uma delas, terá de a dobrar primeiro ao meio (entre as páginas 2 e 3 e 6 e 7, respectivamente), mantendo a face impressa no interior da dobragem (virada para dentro) e depois cada uma das partes novamente ao meio no sentido inverso, formando uma espécie de harmónio. Terminada a operação, é só juntar as duas tiras na ordem correcta, acertar o tamanho das páginas para encaixar na capa de cartolina e fixar usando um agrafo a meio do livro.
Escolha um pedaço de cartolina preta que, dobrado ao meio, tenha tamanho suficiente para encaixar o livro, dobre-o ao meio e faça-lhe numa das partes dois cortes na diagonal em cantos opostos de forma a poder aí fixar o pequeno livro. Lá dentro, com a ajuda de fita adesiva de face dupla ou de simples fita-cola, cole um chocolate. Para terminar, basta juntar as duas partes, fazer um furo na parte de cima e rematar com ráfia preta e laranja.

Uma vez pronto o farnel do Dia das Bruxas, é só sentar-se e esperar pelas visitas ou pelos convidados surpresa. No fim do jantar, servidos com o café, ou à porta, entregues às crianças mascaradas, garanta que não se limita a distribuir guloseimas mas que dá a uns e outros mais qualquer coisa com que alimentar uma outra espécie de gulodice.
Na versão mais simples – etiquetas - ou na mais complexa – livros miniatura -, o importante é que não se esqueça que todos os dias são bons dias para degustar palavras e leituras e... Quem sabe? Pode ser que um destes miminhos venha até a operar a Magia Negra de aliciar um dos pequenos "pedintes" para os prazeres da leitura... Nos tempos que correm, um feito de que se orgulharia qualquer bruxa que se preze!

Como de costume também, àqueles a quem falta tempo, vontade ou simplesmente vocação para os trabalhos manuais, recomendamos que vão directamente à fonte: comprem o livro, neste momento disponível em qualquer livraria numa edição da Antígona e façam questão de não deixar ir embora os "pedinchões" de guloseimas sem, pelo menos, lhes lerem em voz alta uma destas curtas e deliciosamente tétricas estórias...

Se quiser usar os nossos materiais para confeccionar alguma das receitas acima, é só pedir em escritasemdia.carla@gmail.com

O Tim Burton e a Escrita(s) em dia desejam-lhe um óptimo fim-de-semana e um excelente Halloween!!!

PS - Se alguém souber de alguma reza, mezinha caseira ou poção mágica contra o mau agoiro de chuva no fim-de-semana, agradecemos que a partilhe connosco.



terça-feira, 21 de setembro de 2010

EU, ANDARILHO, JURO...

Salvo erro, eram estas as palavras que abriam o Juramento dos Andarilhos. Mas é possível que estejamos enganados. Passados estes dois dias e meio em Beja, a sensação que fica é que tudo aconteceu muito depressa e que nem tivemos tempo para saborear a atenção que nos dedicaram as muitas pessoas que passaram pela cidade dos contos. De regresso a casa, voltámos a arregaçar as mangas porque há muito a preparar para a Ladralternativa que é já no próximo sábado, dia 25. Pela frente, temos uns escassos três dias e muito por fazer porque, voltando à conversa, a verdade é que chegámos a Beja assim...
... E a poucas horas de partir, estávamos reduzidos a isto...

Tivemos momentos de muito trabalho, alguns (poucos!) de lazer, mas este é um trabalho que nos cansa menos do que nos alegra, pelo que nunca faltou boa disposição junto daquilo a que um simpático colaborador das "Andarilhas" chamou a "Ervanária dos Contos", um nome que prometemos recuperar assim que tivermos tempo para alinhavar novas ideias.
Um dia destes, com mais vagar, voltamos para lhe contar em pormenor o que foi a fantástica aventura da Escrita(s) em dia nas Andarilhas/2010. Para já, gostamos de pensar que, uma vez que foram muitos os profissionais que se deslocaram de Norte a Sul a Beja para participar nas oficinas, por esta altura, os originais da Escrita(s) em dia já se "bebem" e saboreiam um pouco por todo o país e alguns já terão até cruzado a fronteira para Espanha. Uma ideia que nos faz companhia quando a noite vai alta e o trabalho não abranda. A todos, sem excepção, queremos agradecer o apoio e o encorajamento que, afinal, foi o que nos fez chegar aqui e juramos solenemente, entre outras coisas, não adormecer à sombra dos louros e continuar a trabalhar para lhe dar sempre ideias (e histórias) do arco da velha.
Palavra de (aprendiz de) andarilho.


Às "Palavras Andarilhas", um agradecimento muito especial. Por nos ter acolhido e por continuarem a existir, apesar de todos os contratempos.
Até sempre!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

ANDARILHO QUE É ANDARILHO TARDA MAS NÃO FALHA

A continuar a coisa a correr assim este ano, não tarda nada, começam a confundir-nos com o coelhinho branco da "Alice no País das Maravilhas", aquele que anda sempre muito atarefado, ao som do tique-taque do relógio e sempre a dizer "Estou atrasado, estou atrasado, estou atrasado". E mais uma vez, passadas as férias (que, diga-se, em abono da verdade, foram do melhor que o mundo tem para oferecer), ninguém adoeceu mas o trabalho apertou e estas duas semanas foram uma verdadeira maratona. Sim, porque embora as Escrita(s) em dia nos alimentem o ego, a criatividade e a vontade de viver, nesta família, como em todas as outras, há outras partes de nós que também precisam de sustento! Por isso, depois do nosso périplo estival, chegámos a casa há duas semanas e arregaçámos as mangas. Verdade seja dita, só hoje elas voltaram a dar-nos pelos pulsos... E cá estamos nós, atrasados e só com um dia e meio para acabar de preparar o que há a preparar para levar a Beja e às fantásticas "Palavras Andarilhas".
Começam já na quinta-feira e quem puder pois que não perca este fantástico acontecimento que, com muita pena nossa, agora só acontece de dois em dois anos.
É verdade que estamos atrasados. E estafados. E cheios de sono. É verdade que ainda nem sequer temos prontas as nossas histórias de Agosto e Setembro. É verdade que ainda andamos à procura de quem fique por Lisboa e nos consiga ir buscar os filhos à escola na quinta e na sexta. Há muita coisa que é verdade, mas verdade também é que andarilho que é andarilho, tarda mas não falha. Por isso, atrasados e tudo, estamos de malas aviadas e vamos assim mesmo, com a roupa do corpo, que é como quem diz, com as histórias que temos à mão e, sinceramente, com um grande sorriso na alma porque é a nossa estreia no mundo fabuloso das Andarilhas. Quanto às histórias que temos em atraso, paciência... Vão nascer a Beja!
Este fim-de-semana, se puder, venha connosco à cidade dos contos! E não vale a desculpa de que já conhece porque Beja em Setembro é como a Primavera... Não há dois anos iguais.
E por falar em verdade, antes de sair do seu lugar, faça uma pausa e ouça o que este senhor tem para lhe contar a propósito disso a que chamamos verdade...

sábado, 14 de agosto de 2010

VAMOS DE FÉRIAS

Vamos agora de férias. Voltamos daqui a duas semanas com histórias na ponta da língua. Até lá, aproveite o seu Verão.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

HISTÓRIAS DA VIDA REAL - UM MONTE DE IDEIAS PERDIDAS

Não é novidade para ninguém, certamente, que o actor, encenador, humorista e, acima de tudo, homem de grandes e boas ideias, António Feio morreu ontem. O Onde, o Quando e o Porquê interessam-nos pouco. Não trazemos aqui nem elogios fúnebres nem biografias póstumas que disso, hoje, está a Internet cheia. E, provavelmente, também não vimos acrescentar nada de novo.
Só que há coisas que temos mesmo de dizer, por mais que não façam diferença nenhuma a ninguém.
Na Escrita(s) em dia, temos muito respeito pelas boas ideias e não podemos deixar de lamentar o monte delas que ficamos todos a perder com esta morte antes de tempo.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

CANCELADA A LADRALTERNATIVA DE 31 DE JULHO

Entre outras coisas, estes simpáticos marcadores de livro, feitos com os materiais do costume, pobres em custo mas ricos em imaginação, eram o que a Escrita(s) em dia tinha já preparado para distribuir gratuitamente a quem visitasse a sua banca, na Ladralternativa do dia 31 de Julho.

Ninguém nunca saberá se foi a onda de calor ou qualquer outra coisa que motivou a reviravolta, mas o certo é que a feira foi cancelada devido ao número insuficiente de participantes.
Assim sendo, por agora, fechamos a caixinha das surpresas e guardamos os trunfos na manga para altura mais propícia a divulgações.

Lá tristes ficámos mas, na vida, há coisas piores que feiras canceladas e decerto outras oportunidades de encontro surgirão.

Vale-nos o facto de esta nossa “flor de ler” ser do género de folha perene e resistente às variações sazonais, o que lhe permitirá conservar o viço e a frescura até Setembro, quando chegar o tempo das Andarilhas.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

ESPECIAL DIA DOS AVÓS - EDIÇÕES SÉNIOR DAS ERVAS DE CHEIRO

Depois de um período menos produtivo, a Escrita(s) em dia estreia-se este ano no Dia dos Avós. Para o efeito, preparámos as sete histórias que neste momento compõem a colecção das Ervas de Cheiro numa Edição Sénior. O conceito é simples: a mesma história e o mesmo chá, mas tudo em tamanho XL – segundo os padrões da Escrita(s) em dia, claro está.
Páginas quatro vezes maiores, com letra mais legível e mais fáceis de manusear e doses generosas de chá porque sabemos que os avós têm mais tempo para perder com estes pequenos mimos. Tudo isto num frasco com o charme inconfundível da Escrita(s) em dia.
A história, pode escolher-se de duas maneiras: pelo título ou pelo chá. Se estiver indeciso, fale connosco. Teremos todo o prazer em enviar-lhe um pequeno menu de degustação com excertos de cada uma das histórias, para que possa decidir em consciência.
Se este ano resolveu incluir o Dia dos Avós na sua lista de datas especiais, então, estreie-se connosco. Avó ou avô, materno, paterno ou até emprestado, o que lhe podemos garantir é que, apesar de já ter visto certamente muita coisa na sua longa vida, nunca recebeu um presente assim...
Ficamos à sua espera em escritasemdia.carla@gmail.com com todas as respostas às suas perguntas.
Conte connosco para surpreender quem se calhar acha que já não tem idade para surpresas. Porque na Escrita(s) em dia, sabemos bem que as boas histórias não têm idade.
Os inevitáveis pormenores:
Frasco Edição Sénior (1 história + 1 chá)   € 7,50

CHÁ COM HISTÓRIAS - ERVAS DE CHEIRO: DE JANEIRO A JULHO

Cumprindo o prometido, a Escrita(s) em dia apresenta as mais recentes produções do seu Chá com Histórias – Ervas de Cheiro.
Aqui fica a lista actualizada das nossas edições especiais:

Chá de paciência e hortelã” c/ chá verde com hortelã-pimenta
O signo da alfazema” c/ chá de alfazema
A velha carqueja” c/ chá de carqueja
Doce morte a da urze” c/ chá de urze
No silêncio dos poejos” c/ chá de menta com poejos
Bendita Ma’cela” c/ chá de macela camomila
O príncipe das ervas” c/ chá de erva príncipe

Todas estas edições são limitadas, com livrinhos em papel de qualidade superior cosidos à mão e chá criteriosamente seleccionado para que sabor e leitura estejam em perfeita sintonia.
Uma vez esgotadas as edições especiais, as histórias só voltarão a estar disponíveis em Dezembro, depois do lançamento da décima segunda história, na versão standard do Chá com Histórias, em caixas de 12, 3 ou 1 história, com os já habituais sabores de canela e especiarias ou citrinos
Não adie mais a hora do chá. Escolha uma das nossas edições especiais e viva uma experiência irrepetível no mundo aromático das ervas de cheiro.


sexta-feira, 16 de julho de 2010

QUEM FALA DE NÓS - JULHO/2010

Falando em dar a conhecer o projecto, não podemos esquecer esse prodígio da divulgação que é a milenar instituição do "boca a boca" ou do "passa palavra". Vasculhando a Net, descobrimos mais uma referência abonatória à Escrita(s) em dia. Foi em http://www.precisalmana.blogspot.com/  e não podemos deixar de agradecer publicamente à autora pela simpática nota. E, claro, os nossos agradecimentos mantêm-se a todos aqueles que nos têm seguido e recomendado por essa blogosfera fora.
http://www.lojaosegredo.com/artistas-convidados/




DESTA VEZ, NEM SANTO ANTÓNIO NOS VALEU!

Pois é verdade. Por mais que tivéssemos tentado levar avante a promessa de oferecer histórias para enfeitar os manjericos, a deslocalização profissional e temporária de um dos membros da nossa equipa, aliada à mononucleose que afectou uma das crianças da família, imediatamente seguida de uma virose de diagnóstico impreciso noutra deitaram por terra os nossos planos e fizeram com que, no dia 10 de Junho, depois de muito termos esbracejado, esperneado, praguejado e tentado remar contra a maré, nos víssemos forçados a encarar a triste realidade de que não iríamos conseguir pôr o projecto em pé a tempo. Feitas as contas ao que tínhamos produzido e ao trabalho que havia ainda pela frente, rendemo-nos à evidência de que não haveria santo – da casa ou fora dela – que pudesse operar o milagre de transformar a abóbora que tínhamos em mãos na carruagem reluzente e deslumbrante em que gostamos de fazer desfilar as nossas criações. Pelo facto, apresentamos as nossas sinceras desculpas e a quem estava à espera das nossas histórias, confirmamos que o projecto não foi abandonado. Apenas o guardámos na gaveta para o ano que vem em que esperamos que Santo António, São Pedro e São João não se mostrem tão avaros no que toca a milagres.
Mas passada que está a crise familiar e ultrapassado também algum quebranto da criadora residente (que, confesse-se, lida mal com frustrações, fracassos e incumprimento de promessas), a Escrita(s) em dia volta a arregaçar as mangas e a deitar mãos à obra.
Este ano, decidimos aproveitar os meses de Verão para levar o nosso projecto um pouco além deste círculo restrito em que tem sido divulgado. Estudámos hipóteses, fizemos contas e contactos e, assim, de repente, podemos adiantar dois pontos altos da agenda estival:
Para começar, contactámos a Ladralternativa, uma mostra do trabalho de novos criativos que costuma realizar-se aqui bem perto de casa, para os lados de Alfama, mas que já tem passeado pelo resto da cidade e do país. Esta mostra de novas criações pretende-se, como o próprio nome indica, original e alternativa, pelo que prima por algum critério na selecção dos trabalhos e projectos que leva à exposição. Aproximámo­‑nos a medo (porque a auto-confiança também (ainda) não é dos nossos fortes!) e fizemos uma primeira abordagem. Depois de ter explorado o nosso blogue, a resposta da organização foi receptiva a entusiasta e ficou decidido que a Escrita(s) em dia faria parte do elenco da feira durante um dos dias. A próxima edição da Ladralternativa está marcada para o fim-de-semana de 31 de Julho e 1 de Agosto, no Centro Cultural Dr. Magalhães Lima, no Largo do Salvador e a Escrita(s) em dia lá estará, ao lado de muitos outros criadores com propostas que vale certamente a pena conhecer, durante todo o dia de sábado31 de Julho. Se quiser saber mais sobre o que a Ladralternativa tem para lhe oferecer, não deixe de visitar http://www.ladralternativa.blogspot.com/.
Do resultado desta primeira experiência dependerá, obviamente, a nossa presença em edições futuras.
Depois, aproveitámos a embalagem, enchemos o peito de ar e fomos perguntar às Palavras Andarilhas se, por acaso, estariam interessados em contar com o nosso modesto contributo no Festival de Narração Oral de Beja. Mais uma vez, a resposta da organização foi também positiva e estimulante. Como muitos já sabem e quem não sabe fica aqui a saber, as Palavras Andarilhas são um encontro de contadores de histórias que se realiza agora de dois em dois anos, em Beja, junto da Biblioteca Municipal. Esta é uma paixão antiga, por isso, a concretização deste sonho tem para nós um sabor muito especial. Ainda não havia Escrita(s) em dia e já nós rumávamos a Beja em Setembro, ávidos do que os andarilhos teriam para nos contar. Este ano, voltamos a ir, mas de armas e bagagens. Fazemos oficialmente parte dos andarilhos. Falta ainda acertar alguns pormenores logísticos, como o aspecto final do nosso “stand”, mas, neste momento, estamos em condições de afiançar que a Escrita(s) em dia já tem um pé nas Andarilhas. A edição deste ano acontecerá nos dias 16, 17 e 18 de Setembro mas descanse que, até lá, receberá da nossa parte mais informações relativas ao evento.
Além disso, a Escrita(s) em dia tem planos para sair do ciberespaço e criar uma rede física de divulgação, com a colocação de folhetos e cartões em pontos estratégicos da cidade, lugares públicos onde as histórias não destoem do conjunto. Só que, neste caso, além de meter mãos à obra, será também necessário meter pés ao caminho. Por isso, na próxima semana, arranca a caminhada que nos levará a calcorrear as colinas, à procura de cafés, lojas e esplanadas que queiram acolher o nosso inesgotável palavreado. Começaremos perto de casa, com abordagens ao Café do Monte, Esplanada da Graça, Quiosque do Monte Agudo e Esplanada do Torel, todos eles lugares a incluir nos roteiros de fim de tarde ou fim-de-semana. Se, entre os que nos lêem, alguém tiver outras ideias ou sugestões, ficamos à espera delas no nosso endereço de email, escritasemdia.carla@gmail.com.
E pronto! Hoje, ficamos por aqui. Fica o pedido de desculpas e a notícia de que estamos de volta à boa forma. Já para a semana, actualizaremos as nossas ofertas com as novas produções do Chá com Histórias – Ervas de Cheiro que este mês terá direito a uma edição ainda mais especial que as anteriores, a pensar no Dia dos Avós.
Assim nos despedimos, desejando que a nossa história se prolongue na ascendência e que, apesar da dívida pública, da austeridade e dos maus agoiros para 2011, a queda do nosso frágil império esteja ainda muito para além do horizonte.